22 maio 2008

ORLANDO DIAS. POUCA ALTURA, VOZ PEQUENA E UM SUCESSO GIGANTE

ORLANDO DIAS, MAS PODE CHAMÁ-LO DE LENDA DO ROMANTISMO POPULAR
Orlando Dias é mais um dos cantores que depois de fazer muito sucesso nos anos 60, 70 e 80, tem seu nome esquecido pelos letrados em música. É por isso, também, e pelo muito que ele fez pela música popular do Brasil, que recebe homenagem _simples, porém dileta_ do blog. Ao lado de Altemar Dutra e Agnaldo Timóteo, Orlando Dias foi seguramente detentor de maior prestígio na gravadora Odeon. Seus discos, sempre esmerados pela produção que os envolviam, estavam entre os mais vendidos do Brasil, ganhando destaque no rádio e na tevê, rendendo fama e prestígio junto ao público que lhe consagrou como um dos maiores intérpretes de boleros. Na década de 60, quando Waldick Soriano, ao lado de Teixeirinha, era estrela da gravadora Chantecler, Orlando Dias disputava fatia importante no mercado, como figura que podia disputar espaço de igual para igual com Waldick. Os dois eram superpopulares, e sempre com manias inusitadas para ganhar manchetes nas revistas especializadas, bem como na extinta Revista do Rádio. Waldick não escondia de ninguém que era “machão”, fazendo uma linha elegante, mas que logo foi interpretada como cafona. Enquanto que Orlando Dias, sem reservas, abria as portas da sua casa para receber a imprensa e mostrar sua coleção de bonecas, o que deixava seus fãs um pouco desapontados.
O nome verdadeiro de Orlando Dias era Adauto José Michiles e com o qual assinou centenas de composições. Não teve filhos, mas seu estilo foi copiado por dezenas de cantores que buscavam inspiração, principalmente, no gênero dramático de interpretar canções que quase sempre retratavam amores fracassados e ciúmes doentios. “Perdoa-me Pelo Bem Que Te Quero”, “Mentiste-me” e “Tenho Ciúmes de Tudo”, são músicas consagradas na voz do cantor pernambucano. Certamente, vivas na memória dos fãs. A canção “Tenho Ciúmes de Tudo”, marco inconteste na carreira do cantor, gravada em 1961, para o jornalista Rodrigo Faour (autor da biografia do cantor Cauby Peixoto) é horrenda. O jornalista, entre “Deus me livre!”, disse ainda, em 2000, que mais de cinco músicas de Orlando Dias, ninguém consegue ouvir. O que é lamentável, no entanto suficientemente compreensível, dado ao gosto pessoal que cada um tem e que deve ser respeitado, afinal, nem todo crítico é como Artur da Távola, que disse para Roberto Dávila: “Deus me fez insuportavelmente eclético. Ouço e gosto de tudo que é música”. A mesma canção, ganhou nos anos 70, uma interpretação pungente do eclético Caetano Veloso, disponível no site youtube, para quem quiser ver, e ouvir.


TENHO CIÚME DE TUDO
Tu és a criatura mais linda /
que os meus olhos já viram /
tu tens a boca mais linda /
que minha boca beijou /
são meus os teus lábios /
estes lábios /
que os meus desejos mataram /
são minhas tuas mãos /
estas mãos /
que as minhas mãos afagaram /
sou louco por ti /
eu sofro por ti /
te amo em segredo /
adoro o teu porte divino /
pela mão do destino /
a mim tu vieste /
tenho ciúme do sol /
do luar/
do mar/
tenho ciúme de tudo /
tenho ciúme até /
da roupa que tu vestes.

Dê sua opinião sobre a letra, lendo o romantismo e a poesia. Que mulher não gostaria de ouvir tamanha declaração de amor?


Na década de 80, quando as gravadoras começaram a agonizar, quando o repertório musical brasileiro toma outro rumo, Orlando Dias mudou-se para a gravadora Copacabana e, sem que ninguém esperasse mais algum sucesso por parte do cantor, para muitos, já ultrapassado, ele estoura nas rádios em 1983 com a canção “Com a Pedra na Mão”, de sua autoria com Maury Câmara. Orlando Dias teve seu espaço na mídia para brilhar e cantar suas músicas, enquanto viveu da profissão, recebeu elogios e foi reconhecido como autor de um estilo. Usou de artifícios como lenço branco, encenações e interpretações dramáticas, usou principalmente seu maior recurso para conquistar o Brasil, sua voz. Seu nome está entre os mais reconhecidos de uma era de ouro da música popular do Brasil.
Orlando Dias morreu num sábado, no dia 11 de agosto de 2001, na Ilha do Governador, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Tinha 78 anos e morava com a irmã. Um infarto ceifou-lhe a vida, mas sua voz sempre será ouvida através das canções rascantes.
Ele não fez se não, o mesmo que os poetas de hoje fazem, inseriu romantismo e fantasia na música, acrescentou uma interpretação particular para cada bolero, afinal, quem podia ser diferente? Sua obra merece atenção por parte dos estudiosos do assunto, não apenas citações. Evitar preconceitos, será sempre uma boa introdução para resgatar uma história sadia. Negar a participação é impossível, falar bem é de bom tom, e reverenciar como artista é nosso dever.

5 comentários:

Anônimo disse...

Prezado amigo Josué Ribeiro. sou um leitor assíduo de sua coluna, masmo quando não tem material novo eu sempre clico no seu blog. agradeço por colocar meu nome. Vibrei!!!!Mas o título do meu blog é Revival Records. Agradeceria retificação.
Grande abraço:
Wilde Portella

Anônimo disse...

OI Josué. Sou grande fã do grande Orlando Dias. Parabéns pela excelente e nobre homenagem a este herói da música popular nacional. Muito legal mesmo amigo. Espero que você continue este brilhante trabalho. Tenho vários discos de Orlando Dias, esses da fase Copacabana dos anos 80 são geniais. Ele merecia ser bem mais lembrado.
Matheus Trunk
www.revistazingu.blogspot.com

SS396 disse...

Gosto de Sinatra, Tony Bennett, Tom Jobim, Reginaldo Rossi, Waldick Soriano e Orlando Dias. São totalmente díspares mas adoro ouvi-los. Cada um deles tem sua hora musical para mim. A variedade é o tempero da vida...

Augusto disse...

Estou montando para minha esposa um Dvd com os velhos Lps do seu pai que faleceu, para ela guardar de lembranca. Me falta dois que estou compondo com musicas avulsas e nao cosegui completar. Sao O Astro e Perdoa-me pelo Bem que te quero, ambos do Orlando Dias. Se alguem que seja fan de nossos cantores da antiga, tiver esses, favor me informar como conseguir. Meu e-mail e: stola@superig.com.br

julio disse...

Oi Estou Acompanhando Esse Blog Pela Primeira Vez Mais Gostei Muito Do Que Vcs Publicaram Do Grande Orlando Dias...



Ass: Julio César Portela Michiles.

Relembre a estreia de Ricardo Braga e a opiniäo de Roberto Carlos em 28/05/1978

A estreia da cantora Katia em 1978 cantando Tão So

Mate a saudade de Nara Leao cantando Além do Horizonte em 1978

1 em cada 5 Brasileiro preferia o THE FEVERS 26/11/1978

Elizangela canta Pertinho de Você no Fantástico em 1978

Glória Pires e Lauro Corona cantam Joao e Maria

CLA BRASIL E MARINÊS

DOCUMENTÁRIO SOBRE EVALDO BRAGA / 3 PARTES - ASSISTA NA ÍNTEGRA

Web Counters
PopularContacts.com

http://